sábado, 26 de julho de 2008

DIFERENÇA QUE GERA UNIÃO

As estrelas e a lua se fundem
Tal como a minha mão e a tua se confundem.
Tão diferentes são as cores que a noite apelam ao morcego,
Tão diferente somos nos, tu branca e eu negro.

O mundo fez-se diferente, o céu e a terra
Tu e eu, vivendo da agua, sobrevivendo a seca.
Tanta desigualdade desencadeia um cosmos
Nesse ponto de encontro, vejo-te a ti, criando esses filhos nossos.

Tons de pele branca. Tons de pele negra,
O acasalar de duas cores, e mais cores a união gera,
E a mais seres a união atribui diferenças
E a mim, e a ti, a união fez-nos as avessas.

Trocados na génesis e encontrados nos dias de hoje
Tu e eu, porque as barreiras caíram, somos cônjuges
Felizes com as semelhanças, aceito que és diferente
E porque da diferença nasce a união, aí a tens, em teu ventre.

2 comentários:

HeLeNaAa disse...

A diferença gera a uniao e foi essa diferença que nos uniu e dessa uniao nasceu o nosso filho!

Gostei em especial deste poema @

Pedro Fernandes disse...

parabéns pela sua produção poética; belíssimo trabalho, meu caro.

abraço